domingo, 5 de setembro de 2010

BENDITA


Quando me vi,
vela apagando,
você chegou,renovando minha fé,
feito oração na catedral da descrença.

Resgatou esquecidos desejos,
apagou o pó das minhas revoltas,
varreu as migalhas das minhas inquietações.

Parece-me que seu amor
tem a rima certa,
quando me vejo fraca.

Não avisa,não insinua,
apenas vem,de mansinho,
caminhando invisível dentro de mim.

Bondade de Deus não me faz sagrada,
mas me torna bendita.

Rosy Moreira

Um comentário:

  1. BB,que refúgio gostoso de se perder ou se achar na poesia.Voltarei.

    ResponderExcluir